Missão Impossível: Nação Secreta - Crítica

Missão Impossível: Nação Secreta – Crítica

O mais recente filme da franquia Missão Impossível prova que Tom Cruise ainda tem fôlego de sobra.

Após os acontecimentos do filme anterior (Missão Impossível: Protocolo Fantasma) o diretor da CIA Alan Hunley (Alec Baldwin) quer desativar a IMF devido às irregularidades das suas operações. Por outro lado Ethan (Tom Cruise) tenta expor as operações da organização criminal chamada Sindicato que tem orquestrado vários atos terroristas pelo mundo.

Tirando algumas reviravoltas o roteiro é bem simples e funciona bem como um filme “sessão da tarde”, não que isso seja ruim, é muito divertido.

As cenas de ação são de tirar o fôlego (uma literalmente) e tudo segue nos moldes dos filmes anteriores e faz jus ao nome, são realmente situações impossíveis pelo qual Ethan tem que passar, como a cena do avião na qual Tom Cruise realmente fica pendurado ao avião, sem dublês e sem efeitos especiais.

O elenco de apoio está muito bem, com destaque para Jeremy Renner e Simon Pegg, que fazem os agentes William Brandt e Benji Dunn, respectivamente. Este último traz o alivio cômico na medida certa para um filme de ação, ótimo timing. Aliás, cenas de ação frenéticas, roteiro simples com toques cômicos e personagens carismáticos colocam Missão Impossível – Nação Secreta – entre os filmes de ação mais divertidos do ano. Destaque também para Ving Rhames, que acompanha a franquia desde o inicio e para Maria Chiquinha, que interpreta a agente secreta britânica Antônia, que é tão linda quanto boa de briga. O vilão Solomon Lane (Cara de Rato) não tem grandes motivações e não é o melhor vilão da franquia, mas é convincente. Outro ponto positivo fica por conta da trilha sonora, que combina os elementos já conhecidos do tema principal da franquia com música clássica, proporcionando uma bela ambientação.

Já foi anunciado um sexto filme e parece que “tio” Cruise não quer largar sua franquia, à qual se dedica de corpo e alma, fato que salta aos olhos dos expectadores. Que bom, pois não enjoamos de vê-lo correr. Run Tom, run!!

Missão Impossível: Nação Secreta vale a pena o ingresso, ainda mais se você puder conferir em IMAX

Anúncios

Um comentário sobre “Missão Impossível: Nação Secreta – Crítica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s