Toni Erdmann

Toni Erdmann é uma comédia alemã que trata da relação entre um pai e sua filha

Toni Erdmann, filme alemão que concorre ao Oscar 2017 de Melhor Filme Estrangeiro, é uma comédia meio agridoce com alguns momentos muito engraçados intercalados com momentos mais dramáticos. Ines Conradi é uma jovem mulher em busca de sua carreira e cada aspecto de sua vida gira em torno desse propósito. Ela não tem tempo para diversão ou conversa fiada e, apesar de parecer fria, está sempre tensa. Seu pai, Winfried é seu oposto: músico, desgrenhado, despreocupado, vive a pregar peças em todos que o rodeiam. Um dia, numa reunião familiar onde ele revê a filha que estava há um tempo longe, trabalhando na Romênia, Winfried percebe o quanto a moça parece infeliz e fica preocupado. Ele aproveita as férias para ir visitá-la em Bucareste mas os dois tem um desentendimento logo nos primeiros dias e Winfried vai embora, exceto que não. É aí que ele começa a pôr em prática estratégias absurdas e meio malucas com a intenção de se  aproximar da filha e fazê-la questionar esse modo de viver que a está sufocando lentamente sem que ela perceba.

O veterano ator Peter Simonischek faz um trabalho interessante como o excêntrico Winfried, dando ao personagem um ar de ingenuidade e ternura. Ele faz coisas embaraçosas para atrair a atenção da filha, inclusive cria um alterego chamado Toni Erdmann para poder participar mais da vida social e profissional de Ines.

Toni Erdmann

Mas Winfried não faz todas essas maluquices apenas para ter o amor e a atenção da filha. Ele está movido pelo desespero e fará qualquer coisa ao seu alcance para resgatar Ines, que vive sem levar em conta a própria felicidade. Suas ações são tolas, às vezes irritantes e quase nunca engraçadas de verdade, mas pouco a pouco ele estabelece um certo nível de caos no mundo ultra controlado de Ines, gerando uma crise que a faz questionar suas metas na vida. O momento catártico que costuma se seguir nessas situações e que traz a mudança do personagem aqui não vem com choro e diálogos desabafados. Ele vem na cena mais constrangedora e engraçada do filme, quando Ines colapsa em sua própria festa de aniversário e tem um encontro com uma criatura gigante e peluda (e também com outras bem menores e um pouco menos peludas). O entendimento entre pai e filha tem poucas palavras e é simples de compreender: Toni/Winfried conseguiu, através de suas brincadeiras tolas e ingênuas, chamar a atenção da criança dentro de Ines. A filha estava salva.

O humor é estranho e não vai agradar aos supostos amantes do humor “inteligente”, do tipo sarcástico e afiado. Tampouco os que gostam do humor escrachado vão gostar do humor infantil e inocente de Toni Erdmann. O filme tem mais de duas horas e meia e isso também o torna “difícil”. De minha parte alguns pontos não ficaram claros e eu gostaria de ver em ação a mudança provocada no modo de pensar de Ines. Ficou a cargo da minha imaginação.

Toni Erdmann pode ser um filme diferente do que estamos acostumados, mas é gostoso e carrega uma série de boas mensagens. Como diz o próprio Winfried : “não perca o bom humor”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s